Seja bem vindo(a)!

Cadastro

Cadastrar
Seu carrinho está vazio
Navegue por nossa loja e encha seu carrinho com as melhores ofertas!

O que dizem nossos clientes

Conte como foi sua experiência comprando em nossa loja!
  • César Estanislau
    22/05/2018
    Avaliado como Positivo
    Gostaria agradecer pelo profissionalismos e tempo dispensado ao meu pedido, Parabenizo ao Valter e a sua equipe pelo empenho, o produto chegou como combinado e superou as minhas expectativas. ÓTIMO ATENDIMENTO. Transmita felicitações às demais pessoas do seu time. Mais uma vez PARABENIZO o profissionalismo e a competência da empresa.
  • Gisely Blanc - AltaMontanha.com
    22/05/2018
    Avaliado como Positivo
    Ninguém sai de casa para um treino ou prova pensando “e se acontecer um acidente comigo?!”... Porém, todos estão sujeitos a imprevistos. Eu sou enfermeira, trail runner e “campeã em tombos em montanha”, portanto, tenho uma certa preocupação com possíveis acidentes. Recentemente acompanhei pela mídia casos de óbitos em corridas de rua. Ok! provavelmente essas pessoas não realizaram um acompanhamento profissional adequado e/ou não sabiam que apresentavam alguma comorbidade. Mas é fato que atletas profissionais e amadores se submetem a um esforço físico intenso, e no caso específico das provas de montanhas além do esforço físico temos os riscos que envolvem o próprio ambiente (terreno irregular, pedras, rios, buracos, lama...), assim, aumentando as chances de uma situação de emergência. Portanto, além dos cuidados de rotina (exames periódicos /acompanhamento profissional) e bom senso quanto aos riscos durante o percurso, as pulseiras de identificação são um plus em uma situação de emergência. Em saúde denominamos “Hora de Ouro” a primeira hora após o acidente, na qual o atendimento realizado nesse período determina a sobrevida do paciente, quanto mais precocemente o atendimento for realizada maiores serão as chances de recuperação. E onde a pulseira entra nessa história? Então, nem sempre você terá uma pessoa conhecida nos treinos e provas, a pulseira apresenta uma placa de inox com suas informações pessoais gravadas. Assim, proporcionando acesso imediato aos seus dados mais importantes. A minha pulseira é da Self ID (https://www.selfid.com.br/), os dados são personalizados pelo site, você tem 6 linhas para gravação, podendo registrar seu nome, pessoas que devem ser contatadas em caso de acidente, seu tipo sanguíneo, alergias possíveis, hospital de preferência e plano de saúde. Eu optei por registrar meu nome, data de nascimento, dois telefones para contato (acrescentei DDI e DDD), tipo sanguíneo, alergia, cidade, estado e país. Me decidi por estes dados por acreditar que são essenciais em um primeiro momento e podem ser úteis em provas internacionais (Mont Blanc me aguarde...rs)... No verso da chapa também há um código de usuário, assim, informações adicionais podem ser registradas em um banco de dados e acessadas pelo site por quem estiver prestando o atendimento. Espero que gostem da dica! Cuidem-se aventureiros!!!
  • Rinaldo - Blog Número de Peito
    23/05/2018
    Avaliado como Positivo
    Pergunta fácil quando “você” é “você mesmo” ou está com alguém que te conheça. Mas quem treina na rua, estrada, mar aberto ou qualquer outro meio onde não necessariamente tem alguém conhecido por perto, mais cedo ou mais tarde vai ficar com aquela sensação de “e se acontecer alguma coisa comigo, quem vão avisar?”. Eu sempre utilizei um cartão plastificado com meus dados pessoais tanto em treinos quando provas, e felizmente ninguém nunca precisou ligar para casa e dizer que eu estava sentado no meio fio chorando e perdido (ou coisa pior, se é que você me entende). Recentemente troquei de bat-cinto de utilidades e o tal cartão virou um incômodo, além de estorvar também iria acabar furando o pequeno bolso de tecido. Foi então que resolvi fazer uma destas pulseiras de identificação, já estava ensebando há quase um ano e agora não teve mais jeito. Procurei alguns modelos e gostei da Self ID, que está aí na foto. A ideia é transportar em um local visível os dados mínimos em caso de emergência, e se esta ocorrer, facilitar o atendimento e comunicação a quem interessa. Desde a época do tal cartão eu carrego comigo o nome completo, país (vai que um dia eu corra lá fora...), duas pessoas de contato com telefones distintos (preferencialmente uma com celular) e o tipo sanguíneo, que aliás, você tem obrigação de saber. No Ironman 70.3 me perguntaram na retirada do kit, e eu não havia decorado ainda, sendo que o tal cartãozinho estava no hotel. Um risco e tanto, a pessoa deixou anotado “não lembra” na minha ficha, mas daí para frente eu passei a prestar mais atenção nestes detalhes. Outra informação útil nestas pulseiras é o convênio médico da pessoa ou hospital de preferência, mas vale lembrar que muitas vezes isto é regional e sabe-se que corredores e triatletas viajam bastante. Porém uma informação eu acho de extrema importância: se vai deixar o telefone de alguém próximo e que possua uma idade já avançada (mãe, pai, avós), não se esqueça de anotar o grau de parentesco. Se alguém tiver que ligar para estas pessoas, ao ver que se trata de um filho ou neto, vai ter muito cuidado ao explicar qualquer situação. Muitas vezes eu faço propaganda aqui de itens que ganho de empresas do ramo esportivo, mas esta foi uma compra normal que estou compartilhando com você pela utilidade do acessório (e porque eu me preocupo com meus leitores!). Também pela qualidade da pulseira e ótimo atendimento, estou indicando o produto. No site da Self ID você consegue fazer um orçamento e simular como ficará a pulseira com seus dados. Custa menos que uma inscrição de corrida e vai te trazer o conforto de saber que você pode sair de casa mais tranquilo em seu próximo treino ou prova.